Figura Bijagó

Produto n.º: 548
Preço (sem IVA): €406,50
Preço (com IVA): €500,00

Escultura em madeira exótica - Guiné-Bissau

Peça de arte africana da década de 60 ritual - Guerreiro.

Os bijagós constituem um povo africano que habita o arquipélago dos Bijagós, na região da Guiné-Bissau.

Os bijagós não constituem um povo homogéneo, mas sim um conjunto de grupos sociais, conscientes de uma unidade étnica fundamental, com idiomas e costumes variados, que divergem de ilha para ilha, e até dentro da mesma ilha.

0rigem do nome

A designação terá provindo da junção de “Be” e “odjogo” que, na língua local, significa pessoas inteiras, íntegras.

História

A primeira descrição detalhada dos bijagós aparece no Tratado Breve dos Rios da Guiné, escrito em 1594 por André Álvares d´ Almada. Este comerciante cabo-verdiano, natural da Ilha de Santiago, que navegava pelo Rio Senegal em direcção à Serra Leoa, é um observador fiável dos costumes dos países que atravessa. Descreve os bijagós como guerreiros, perpetuamente em luta contra os buramos (brames, papéis e manjacos) e os beafadas, ou ainda entre eles, os de uma ilha contra os de outra.
Kañako (uma espécie de arpão) é a arma tradicional dos bijagós e constitui ainda hoje a insígnia dos chefes. 

Caracterização social

Em comparação com outros grupos étnicos da região, os Bijagós são de pele muito mais escura, sendo um dos grupos mais conservadores do país na preservação da sua cultura. Os bijagós fabricam cerâmica sem roda de oleiro.

 
A Origem do povo BIJAGÓ é ainda uma questão em aberto.
Ao longo dos séculos, diferentes autores tentaram formular várias hipóteses.
Há documentos escritos no século XV que afirmam que as ilhas, nesse período, eram já habitadas pelos Bijagós.
Segundo a tradição e histórias, os Bijagós são originários da Região de Buba, no Continente, e as primeiras ilhas ocupadas foram, por ordem cronológica, Canhabaque, Orango, Uno, Formosa e Caravela.
Se considerarmos a língua, o estudioso Guillaume Segerer escreveu que o sistema de classes nominais aponta a vinda dos Bijagós do lado sul da Guiné.
As diferenças somáticas podem ser explicadas pelo facto que, durante os séculos de escravatura, os Bijagós adoptaram muitas mulheres de outros povos da Guiné, porque somente os escravos homens eram vendidos.